0

Paratifo Aviário faz parte do rol de análises do Check Up Preventivo

Para fechar os posts sobre as três doenças causadas pela bactéria Salmonela, o post de hoje discorrerá sobre o Paratifo Aviário. Relembrando que as Salmonellas são bactérias que estão disseminadas no mundo como um todo, habitam o trato intestinal de muitas espécies, incluindo seres humanos, primatas não humanos, aves, equinos, suínos, cães, gatos, rato, dentre outros.

Quanto as aves, essas bactérias podem causar três enfermidades distintas: a Pulorose cujo agente é a Salmonella Pullorum (veja o post AQUI); o Tifo Aviário (leia mais AQUI) causado pela Salmonella Gallinarum; e o Paratifo Aviário causado por qualquer outra Salmonella sp. que não seja as acima descritas.

Não se assuste, mas são mais de 2500 tipos de Salmonella identificadas e dessas, mais de 200 foram encontradas causando algum tipo de infecção em aves. O número é alto, mas uma notícia boa é que o tipo de bactéria que discutiremos hoje é responsável por bem menos problemas do que a Pullorum e a Gallinarum, ou seja, dificilmente causará mortes no plantel.

De forma geral, as infecções causadas por Salmonelas Paratíficas não produzem sinais clínicos ou lesões nas aves e seu controle dentro dos plantéis está mais ligado à saúde das pessoas que tem contato com as aves, ou seja, criador, funcionários e familiares, pois a Salmonelose é uma grave zoonose.

Infecção

A principal forma de infecção é a ingestão de alimentos contaminados com fezes contendo Salmonella. Primeiramente ela se aloja no papo, nos intestinos e é disseminada intermitentemente pelas fezes, sendo esta a principal fonte de contaminação para as outras aves. Ela pode também colonizar o aparelho reprodutor e, nestes casos, filhotes podem nascer infectados causando sua morte em até três semanas. É bastante comum encontrar Salmonella no trato digestório de aves, entretanto, essas não causam infecção, sendo assim,  é conhecida como Salmonella transitória e a ave tem capacidade de elimina-la naturalmente.

Diagnóstico

Há diversas metodologias diagnósticas para a identificação da Salmonelose: a cultura de fezes, exames sorológicos, como a soroaglutinação são utilizados normalmente para identificar o tipo de Salmonela. Entretanto, esses exames apresentam uma precisão relativa, além de difícil transporte das amostras por exigirem cuidados especiais. Sendo assim, a maneira mais rápida e que apresenta eficácia é a detecção molecular, que utiliza a Reação em Cadeia da Polimerase, a PCR, tudo isso por meio do DNA da Salmonella. Essa técnica é altamente sensível e específica, além de ser mais tolerante ao manuseio e aos meios de transporte. Outro fator importante é que ao utilizar essa técnica é possível identificar qual o tipo de Salmonella, ou seja, se é a Pullorum, a Gallinarum ou a Paratífica.

Prevenção e Tratamento

As formas de prevenção seguem as mesmas regras das demais Salmonelas. Para manter os plantéis livres de Salmoneloses deve-se adotar boas práticas de manejo, biossegurança e isolamento. As Salmonellas são bactérias que podem permanecer muito tempo no ambiente, mas por outro lado são bastante sensíveis a maioria dos desinfetantes. Sendo assim, uma boa limpeza, desinfecção periódica, controle de insetos e roedores são práticas recomendadas.

Outro ponto importante é que nunca se deve introduzir uma ave portadora de Salmonella em um plantel sadio, já testado e livre dessa bactéria, dessa forma, as recomendações permeiam a realização de quarentena e testes laboratoriais que certifiquem o bom estado sanitário do criadouro antes de introduzir uma nova ave no plantel.

Check Up Preventivo

Dentre as doenças pesquisadas estão a arpergilose, paratifo, pulorose, tifo aviário, cólera aviária, micoplasmose, eimeriose, coccidiose, megabacteriose, clamidiose, candidíase e criptosporidiose.

Para realização da análise é necessária apenas uma amostra das fezes da ave, após o recebimento da coleta o laudo do exame fica pronto em cinco dias úteis possibilitando uma intervenção rápida e específica do médico veterinário para o tratamento. Mais informações sobre os exames nas redes sociais do São Camilo ou no site: http://www.scbiotec.com.br, entre também em contato pelo telefone (44) 3029-9660.

Gostou? Compartilhe com os amigos !!
0

Aves de estimação não estão livres da doença Pulorose

Como parte da série semanal publicada aqui no Blog sobre as doenças compreendidas no Check Up Preventivo, temos como assunto hoje a Pulorose. Descrita pela primeira vez em 1899 pelo pesquisador Leo F. Rettger, acreditava-se ser uma doença fatal, entretanto, posteriormente, teve seu nome marcado apenas por diarreia. Ao longo do século XX, a doença se alastrou por diversos países provocando a morte de 100% das aves infectadas.

Antes de continuar a leitura sobre a doença já mencionada, veja o apanhado sobre a Salmonelose AQUI, lá você poderá constatar que essas bactérias podem infectar as aves e causar três enfermidades distintas: o Tifo Aviário causado pela Salmonela Gallinarum; o Paratifo causado pela Salmonella sp.; e por último, nosso assunto de hoje, a Pulorose cujo agente é a Salmonella Pullorum.

Essa doença acomete especificamente as aves jovens, entre o 14º e o 21º dia do nascimento, situação que provoca elevada mortalidade no plantel. As aves adultas não estão isentas dessa doença, entretanto, o aparecimento da mesma é bastante raro. A Pulorose tem como hospedeiras naturais as galinhas, mas, de acordo com a literatura, infecta também perus, faisões, aves silvestres, pardais, periquitos, pombos, canários, avestruzes e pavões. Essa afirmação demonstra que aves de estimação não estão livres dessa infecção.

Transmissão

A forma de transmissão que possui maior recorrência é a transovariana, ou seja, transmissão vertical. Para entender melhor: a bactéria infecta o oviduto da fêmea e se dissemina através dos ovos durante meses, a situação se torna ainda mais preocupante, pois a morte pode ocorrer logo após a eclosão do ovo quando a ave está contaminada. A transmissão também pode ocorrer pelas fezes, alimentos, água e ambientes contaminados, bem como, através de pessoas, animais de estimação, roedores e insetos que tenham acesso ao criadouro.

Sintomas

Dentre eles estão: sonolência, apatia, encorujamento com penas eriçadas, fraqueza e diarreia com coloração branca. Infelizmente, dependendo da relação entre o estado imune das aves e a infecção por esse tipo de Salmonella, pode ocorrer morte súbita sem que haja aparecimento de nenhum dos sintomas citados acima. Quando incide em aves adultas, os sinais não são aparentes, sendo a manifestação da infecção demonstrada pela queda na produção de ovos, redução de fertilidade, em alguns casos pode causar depressão, perda de apetite, diarreia e desidratação.

Diagnóstico e Prevenção

A detecção molecular dessas bactérias, por meio de DNA, ou seja, utilizando a Reação em Cadeia da Polimerase, a PCR, é altamente sensível e específica, sendo também facilitada quando os assuntos são manuseio e meios de transporte.

Quanto ao tratamento este pode diminuir a mortalidade das aves, mas estas continuarão a ser portadoras dos agentes. O controle e a profilaxia da Pulorose são atitudes amplamente recomendadas, sendo que esse tipo de bactéria pode durar muito tempo no ambiente, mas felizmente são sensíveis a desinfetantes, sendo uma boa limpeza, desinfecção periódica, controle de insetos e roedores, bem como, monitoramento de pássaros que adentram ao plantel, ações que podem evitar a proliferação da doença.

Saiba mais sobre o Check Up Preventivo AQUI. Outras informações sobre os exames nas redes sociais do São Camilo ou através do link http://bit.ly/checkuppreventivo, entre também em contato pelo telefone (44) 3029-9660.

Gostou? Compartilhe com os amigos !!
0

Candidíase faz parte das 12 doenças pesquisadas pelo Check Up Preventivo

A publicação de hoje faz parte da série semanal sobre as doenças que mais acometem plantéis e que muitas vezes desmotivam o criador a prosseguir no universo das aves. Para sanar essa situação, o São Camilo Biotecnologia disponibiliza no mercado o Check Up Preventivo, exame que garante a prevenção das 12 doenças mais incidentes em aves.

Dentre essas doenças está a Candidíase, que é causada por um fungo oportunista de nome científico Candida Albicans. A presença do fungo infelizmente é comum no ambiente direcionado a criação de aves, podendo até ser encontrado em pequenas quantidades no sistema digestório de aves sadias. Sendo assim, há grande necessidade de controlar os níveis de fungos nos criatórios, pois a evolução de sua quantidade pode gerar sérias doenças.

Os filhotes devido à fragilidade de seu sistema imunológico estão sujeitos a Candidíase em maior proporção. Já nas aves adultas, a doença instala-se quando sofrem de desnutrição, passam por grande estresse, bem como, acomete aquelas que passam por tratamentos com antibióticos por longo período.

O que se deve saber sobre antibióticos?

Há uma grande prática quando o assunto se relaciona ao uso de antibióticos como método preventivo, sendo o uso indiscriminado perigoso pelo aumento de microrganismos resistentes aos antibióticos. Outro fator preocupante é o tratamento inespecífico o que gera, muitas vezes, o agravamento da doença por não cuidar do real causador da doença.

Quanto ao surgimento da Candidíase os antibióticos têm uma colaboração nociva por alterarem a flora normal do sistema digestório das aves. Dessa forma, além de matar as bactérias causadoras de doença, matam, também, aquelas que auxiliam o funcionamento do organismo. Aí está a porta de entrada para a Candidíase, ou seja, ela aparece de maneira oportunista pelo organismo da ave estar debilitado.

Transmissão

Normalmente o fungo é encontrado no ambiente que as aves povoam, sendo encontrado inclusive na comida estragada e, por esse motivo, os alimentos não devem ser deixados por longos períodos na gaiola sem a devida manutenção. As condições impróprias de higiene também contribuem para espalhar infecções fúngicas.

Sintomas

A princípio os sinais clínicos não ficam evidentes, pois, por muitas vezes são mascarados por outras doenças, ou seja, dependendo de seu estágio não fica evidente qual doença está acometendo a ave ou o plantel de maneira geral. Para exemplificar pode-se citar os psitacídeos, nessas aves o fungo provoca formação de placas esbranquiçadas na cavidade oral, bem como, crostas nos cantos do bico.

Nas aves em geral afeta todo o sistema digestório causando acúmulo de alimento e fermentação no papo, gerando com a evolução da doença emagrecimento da ave e até a Síndrome de Má Absorção.

Em alguns casos filhotes e aves adultas muito debilitadas aparentam os sinais da doença, dentre elas: penas arrepiadas, diminuição do crescimento, desidratação e, às vezes, diarreia. Além dos órgãos do sistema digestório, o sistema nervoso central também pode ser afetado.

Prevenção

O fator principal para prevenção é o cuidado com a higiene. Sendo assim, é importante não deixar comida velha nas gaiolas e criadouros. Constitui 90% da prevenção a manutenção dos ambientes limpos, bem como, a boa nutrição da ave. Deve-se criar também um protocolo de higiene para manusear filhotes recém-nascidos, dessa forma, evita-se a disseminação de doenças pertencentes aos adultos.

Check Up Preventivo

Dentre as doenças pesquisadas estão a arpergilose, paratifo, pulorose, tifo aviário, cólera aviária, micoplasmose, eimeriose, coccidiose, megabacteriose, clamidiose, candidíase e criptosporidiose.

Para realização da análise é necessária apenas uma amostra das fezes da ave, após o recebimento da coleta o laudo do exame fica pronto em cinco dias úteis possibilitando uma intervenção rápida e específica do médico veterinário para o tratamento. Mais informações sobre os exames nas redes sociais do São Camilo ou através do link http://bit.ly/checkuppreventivo, entre também em contato pelo telefone (44) 3029-9660.

Gostou? Compartilhe com os amigos !!
0

Clamidiose é uma das 12 doenças pesquisadas pelo Check Up Preventivo

Aos leitores que têm acompanhado o Blog do São Camilo Biotecnologia faremos a partir de hoje publicações semanais sobre as doenças mais incidentes em aves. Mas por que esse enfoque? Cuidar e promover a manutenção da boa saúde de seu plantel é o objetivo que move o laboratório para trabalhar e desenvolver metodologias que garantam a excelência nos resultados de seus exames.

Sendo assim, falaremos a respeito das 12 doenças que são pesquisadas no Check Up Preventivo começando pela Clamidiose. Essa doença é conhecida como ornitose, também como febre de papagaios ou psitacose. A preocupação reside no contexto de que é uma das doenças que mais afetam o desenvolvimento dos plantéis, gerando também a preocupação de que a bactéria pode afetar os seres humanos.

Outro ponto que se mostra até assustador é que essa bactéria já foi diagnosticada em todas as aves domésticas e em mais de 130 espécies de aves silvestres de todo o mundo, podendo ocorrer inclusive em surtos.

Aves bastante conhecidas por nós podem ser acometidas por essa bactéria, bem como, desenvolver a doença já mencionada. Como exemplo: os papagaios, as calopsitas, os periquitos e os pombos. Fator preocupante é que os filhotes não estão isentos do acometimento dessa doença que pode inclusive se tornar crônica, acabando por espalhar as bactérias por todo o plantel.

Infecção

A Chlamydophila psittaci, nome científico da Clamidiose, sobrevive vários meses nas fezes, bem como nas secreções das aves. Analisemos juntos: a sobrevida da bactéria é de até oito meses em sujeira de gaiola, aproximadamente dois meses em alimentos e rações das aves e ainda por duas a três semanas em superfícies duras.

A infecção pode ocorrer por meio da inalação ou da ingestão de poeira contaminada. Mesmo após o período de recuperação, as aves ainda estão sujeitas a transmissão da bactéria, pois esta permanece por várias semanas mesmo após o fim dos sinais clínicos.

Sintomas

Dentre os sintomas estão: infecção no trato digestivo, respiratório e/ou infecção sistêmica que causa falta de apetite, perda de peso, depressão, alterações no comportamento, fezes amolecidas e esverdeadas, secreção em olhos e narinas. Infelizmente a evolução desses sintomas podem chegar a uma disfunção hepática nas aves.

Diagnóstico

O diagnóstico definitivo só é possível por meio do isolamento e identificação da bactéria. Sendo o método mais eficaz a realização do exame de Reação em Cadeia da Polimerase, a PCR.

Essa técnica utiliza o DNA extraído das fezes – o que não é possível de realizar em exames comuns – colaborando para a detecção rápida, sensível e específica, demonstrando, dessa forma, o padrão ouro em sua realização.

Prevenção

Não há dúvidas de que a melhor forma de se evitar a entrada, bem como, a contaminação das aves do plantel é a prevenção. Desse modo, é importante fazer quarentena e realizar exames em novos animais antes de adentrarem ao criadouro, assim como animais que voltam de feiras e exposições. Por fim, uma boa limpeza no plantel e uma boa circulação de ar favorecem a prevenção da infecção.

Check Up Preventivo

Dentre as doenças pesquisadas estão a arpergilose, paratifo, pulorose, tifo aviário, cólera aviária, micoplasmose, eimeriose, coccidiose, megabacteriose, clamidiose, candidíase e criptosporidiose.

Para realização da análise é necessária apenas uma amostra das fezes da ave, após o recebimento da coleta o laudo do exame fica pronto em cinco dias úteis possibilitando uma intervenção rápida e específica do médico veterinário para o tratamento. Mais informações sobre os exames nas redes sociais do São Camilo ou através do link http://bit.ly/checkuppreventivo, entre também em contato pelo telefone (44) 3029-9660.

Gostou? Compartilhe com os amigos !!
0

Realização de exames periódicos colabora para a prevenção de doenças em aves

A utilização do método de Reação em Cadeia da Polimerase, mais conhecido pela sigla em inglês PCR, demonstra grande auxílio na realização de exames em aves. Colaborando para a prevenção e diagnóstico quando o foco se relaciona a exames de sanidade em aves.

Como explanado aqui as atenções devem ser voltadas primordialmente à prevenção, no entanto, quando o caso já está avançado há também maneiras desse método ser eficaz para colaborar com o diagnóstico.

Os estágios de desenvolvimento de uma doença são divididos em cinco etapas. O período inicial é denominado de incubação, ou seja, quando a ave tem contato com o agente causador. Nessa fase, normalmente não há sintomas e quanto ao tempo pode variar de dias a meses dependendo do tipo de doença.

O período prodrômico é o segundo estágio, quando sintomas inespecíficos começam a aparecer como: febre, apatia, diarreia e espirros. Geralmente nessa fase há encaminhamento da ave para o médico veterinário ou envio do material de coleta para o laboratório.

No terceiro estágio há o período da doença propriamente dita, ou seja, ela já se instalou e a ave possui sintomas que facilitam o diagnóstico. Porém, apesar dessa facilidade há outro fator a ser analisado: o tipo de agente causador, bem como, o grau de acometimento na ave.

Logo após, virá o período de declínio, nesse caso, o tratamento já teve resultado relativo e aos poucos a doença vai sendo eliminada e a saúde ganha espaço para o restabelecimento da qualidade de vida da ave.

Por fim, há o período de convalescência onde as características demonstram que passado o tratamento e eliminada a doença a saúde vai sendo restabelecida aos poucos e os danos vão sendo reparados ao longo do tempo.

Comparativamente médicos tratam a saúde humana em seu sentido mais geral, exemplificados em checkups anuais. O caso da sanidade em aves não se mostra diferente, já que visitas do médico veterinário no criatório, bem como, envio de materiais de coleta para o laboratório podem garantir a prevenção de doenças e seus diagnósticos. Havendo também economia de tempo e dinheiro e o mais importante: qualidade de vida para o seu plantel.

Adote essa ideia e prolongue a vida de suas aves! Para isso conte com o São Camilo Biotecnologia, deixe o laboratório com o Check Up Preventivo mais completo do Brasil cuidar de suas aves.

Doenças pesquisadas

Dentre as doenças pesquisadas estão a arpergilose, paratifo, pulorose, tifo aviário, cólera aviária, micoplasmose, eimeriose, coccidiose, megabacteriose, clamidiose, candidíase e criptosporidiose.

Para realização da análise é necessária apenas uma amostra das fezes da ave, após o recebimento da coleta o laudo do exame fica pronto em cinco dias úteis possibilitando uma intervenção rápida e específica para o tratamento. Mais informações sobre os exames nas redes sociais do São Camilo ou através do link http://bit.ly/checkuppreventivo, entre também em contato pelo telefone (44) 3029-9660.

Gostou? Compartilhe com os amigos !!