0

Paratifo Aviário faz parte do rol de análises do Check Up Preventivo

Para fechar os posts sobre as três doenças causadas pela bactéria Salmonela, o post de hoje discorrerá sobre o Paratifo Aviário. Relembrando que as Salmonellas são bactérias que estão disseminadas no mundo como um todo, habitam o trato intestinal de muitas espécies, incluindo seres humanos, primatas não humanos, aves, equinos, suínos, cães, gatos, rato, dentre outros.

Quanto as aves, essas bactérias podem causar três enfermidades distintas: a Pulorose cujo agente é a Salmonella Pullorum (veja o post AQUI); o Tifo Aviário (leia mais AQUI) causado pela Salmonella Gallinarum; e o Paratifo Aviário causado por qualquer outra Salmonella sp. que não seja as acima descritas.

Não se assuste, mas são mais de 2500 tipos de Salmonella identificadas e dessas, mais de 200 foram encontradas causando algum tipo de infecção em aves. O número é alto, mas uma notícia boa é que o tipo de bactéria que discutiremos hoje é responsável por bem menos problemas do que a Pullorum e a Gallinarum, ou seja, dificilmente causará mortes no plantel.

De forma geral, as infecções causadas por Salmonelas Paratíficas não produzem sinais clínicos ou lesões nas aves e seu controle dentro dos plantéis está mais ligado à saúde das pessoas que tem contato com as aves, ou seja, criador, funcionários e familiares, pois a Salmonelose é uma grave zoonose.

Infecção

A principal forma de infecção é a ingestão de alimentos contaminados com fezes contendo Salmonella. Primeiramente ela se aloja no papo, nos intestinos e é disseminada intermitentemente pelas fezes, sendo esta a principal fonte de contaminação para as outras aves. Ela pode também colonizar o aparelho reprodutor e, nestes casos, filhotes podem nascer infectados causando sua morte em até três semanas. É bastante comum encontrar Salmonella no trato digestório de aves, entretanto, essas não causam infecção, sendo assim,  é conhecida como Salmonella transitória e a ave tem capacidade de elimina-la naturalmente.

Diagnóstico

Há diversas metodologias diagnósticas para a identificação da Salmonelose: a cultura de fezes, exames sorológicos, como a soroaglutinação são utilizados normalmente para identificar o tipo de Salmonela. Entretanto, esses exames apresentam uma precisão relativa, além de difícil transporte das amostras por exigirem cuidados especiais. Sendo assim, a maneira mais rápida e que apresenta eficácia é a detecção molecular, que utiliza a Reação em Cadeia da Polimerase, a PCR, tudo isso por meio do DNA da Salmonella. Essa técnica é altamente sensível e específica, além de ser mais tolerante ao manuseio e aos meios de transporte. Outro fator importante é que ao utilizar essa técnica é possível identificar qual o tipo de Salmonella, ou seja, se é a Pullorum, a Gallinarum ou a Paratífica.

Prevenção e Tratamento

As formas de prevenção seguem as mesmas regras das demais Salmonelas. Para manter os plantéis livres de Salmoneloses deve-se adotar boas práticas de manejo, biossegurança e isolamento. As Salmonellas são bactérias que podem permanecer muito tempo no ambiente, mas por outro lado são bastante sensíveis a maioria dos desinfetantes. Sendo assim, uma boa limpeza, desinfecção periódica, controle de insetos e roedores são práticas recomendadas.

Outro ponto importante é que nunca se deve introduzir uma ave portadora de Salmonella em um plantel sadio, já testado e livre dessa bactéria, dessa forma, as recomendações permeiam a realização de quarentena e testes laboratoriais que certifiquem o bom estado sanitário do criadouro antes de introduzir uma nova ave no plantel.

Check Up Preventivo

Dentre as doenças pesquisadas estão a arpergilose, paratifo, pulorose, tifo aviário, cólera aviária, micoplasmose, eimeriose, coccidiose, megabacteriose, clamidiose, candidíase e criptosporidiose.

Para realização da análise é necessária apenas uma amostra das fezes da ave, após o recebimento da coleta o laudo do exame fica pronto em cinco dias úteis possibilitando uma intervenção rápida e específica do médico veterinário para o tratamento. Mais informações sobre os exames nas redes sociais do São Camilo ou no site: http://www.scbiotec.com.br, entre também em contato pelo telefone (44) 3029-9660.

Gostou? Compartilhe com os amigos !!

São Camilo Biotecnologia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *