Ave do mês

Ave do mês – Calopsita

A calopsita é um pássaro que vem conquistando cada vez mais as pessoas pelo seu jeito amigável e interativo, principalmente quando domesticado. Apegam-se facilmente aos seus donos e os reconhecem de longe. Muito participativas e brincalhonas, são alegres e divertidas! É considerada uma ave sociável, pois convivem bem com algumas espécies menores, desde que instalados em espaço adequado.

Nativos da Austrália, aonde podem ser vistos na natureza, vivem em regiões áridas e semi-áridas do país. Ave nômade, costuma voar em bandos acompanhando o ciclo das chuvas, em busca de alimentos. A reprodução ocorre no período das chuvas, pois a criação de filhotes fica ajustada à disponibilidade de grãos e frutos justamente nessa época.

Calopsita: Carminha – Mutação Pérola

Nome/Espécie:
Calopsita (no Brasil)
Caturra (em Portugal)
Cockatiel (na língua inglesa)
Perruche calopsitte (na língua francesa)
Lorito de Copete (na Espanha)

Família: Cacatuidae

Ordem: Psittaciformes

Tamanho: 30 cm (em média, quando adultos)
Peso: 85-120 gramas
Longevidade: variável, dependendo se na natureza ou em cativeiro, podem chegar a 25 anos aproximadamente
Maturidade sexual: por volta dos 12 meses de vida
Reprodução: ano todo
Postura: 3 a 7 ovos (média)
Incubação: de 18 a 23 dias

Calopsita: Tufão – Mutação Lutino

Pela legislação ambiental brasileira, a calopsita é considerada ave doméstica, conforme portaria nº 93 do Ibama. Aves domésticas são aqueles que, através de processos tradicionais e sistematizados de manejo e melhoramento zootécnico, tornaram-se domésticos, possuindo características biológicas e comportamentais em estrita dependência do homem, podendo inclusive apresentar aparência diferente da espécie silvestre que os originou. Portanto, a calopsita não é uma ave cuja criação, comércio e posse é controlado pelo IBAMA.

A história das calopsitas

A calopsita, pássaro de origem australiana, foi descrita pela primeira vez em livros em 1792, mas apenas no século XIX é que americanos e europeus a conheceram de perto.
Até então, a Austrália era um continente ainda não desbravado, que servia para colônias penais inglesas, e dentre os primeiros colonizadores estavam o ornitólogo e taxidermista inglês, John Gould e sua família. Ele catalogou centenas de espécies naquela região, muitas ainda desconhecidas até então, e é a ele creditado ser a primeira pessoa a levar a calopsita para fora da Austrália, contribuindo dessa forma para a divulgação da espécie.
Gould deu o nome à calopsita de “cacatua-papagaio”. Naquela época, Jamrach, um dos mais sucedidos importadores de aves exóticas da Inglaterra, deu um nome diferente àquela ave de porte mediano com crista no alto da cabeça : “cockatiel” baseado na palavra holandesa “kakatielje” que significa cacatua. Na Austrália é conhecida como Quarrion (nome aborígene) ou Weero.
Em 1864, a calopsita já se tornara bem conhecida na Inglaterra como animal de estimação e em 1884, entre criadores europeus.
A primeira mutação (arlequim) surgiu nos Estados Unidos, em 1951. A mutação pérola apareceu inicialmente na Alemanha, em 1967. Os canelas, na Bélgica em 1968, seguidos dos fulvos.

Fonte: http://www.calopsitas.org/informacoes-sobre-a-ave

Gostou? Compartilhe com os amigos !!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *